Pesquisa

domingo, 14 de agosto de 2011

Lei de Destruição – Destruição necessária; destruição abusiva; flagelos destruidores – 7 a 8 anos

Objetivos: Conhecer a revelação dos Espíritos sobre a Lei de Destruição, reconhecendo que o que chamamos de destruição não passa de uma transformação, que tem por fim a renovação e a melhoria dos seres vivos.


Sensibilização: Trazer um cartaz com desenhos que representem as quatro estações do ano: verão, outono, inverno e primavera. Explicar o que acontece em cada estação. Explicar à criança a necessidade de transformação da própria Natureza. Lembrar que quando respeitamos as Leis de Deus toda essa transformação se dá naturalmente. Será que todos nós estamos respeitando as Leis de Deus? Será necessária na nossa vida a Lei de Destruição? Vocês sabem qual o objetivo da lei de destruição no nosso mundo?


Estudo: LE 728 a 741
Através de perguntas e respostas vá conduzindo o estudo, utilizando o seu dinamismo.

Procedimento: para passar o conteúdo apresente, em tiras de papel, as seguintes perguntas:
1 – A morte dos seres vivos faz parte das Leis da Natureza?
2 – A gente tem direito de caçar os animais para se divertir?
Apresente gravuras que representem a Lei Circular que rege tudo na natureza. A lua passa pelas fases, crescente, cheia, minguante, nova e crescente novamente e assim por diante. A semente germina, torna-se árvore e depois a árvore morre e aquele princípio espiritual renasce em outra semente. As estações do ano – primavera, verão, outono e inverno e recomeça na primavera novamente. O dia também tem seu ciclo – manhã, tarde e noite, os animais nascem, crescem e morrem. Tudo na Natureza termina para recomeçar, todas as coisas têm seus ciclos. Mostrar que a morte é apenas uma transformação necessária ao aperfeiçoamento. Mostre gravuras da cadeia alimentar.
Para explicar que a destruição tem como objetivo manter o equilíbrio na reprodução perguntar:
* Como ficaria o mundo se os seres vivos se reproduzissem sem parar e não morressem?
Acrescente que o princípio inteligente não se destrói. Lembre a destruição das espécies de animais primitivos que desapareceram para que outros animais mais aperfeiçoados surgissem. Compare a espécie humana (o homem das cavernas desapareceu, surgiu o homem atual, com o corpo mais aprimorado, mas o Espírito é o mesmo).
Comente sobre a destruição para fins de alimentação (que está de acordo com a Lei) e a destruição por divertimento, como a caça de passarinhos e outros animais a isso chamamos de destruição abusiva.


Narrar: “que pena!”, com a interferência da frase: o dente doía tanto!

Combinar com as crianças o sinal a ser dado para que digam a frase da interferência. Pedir às crianças que respondam às seguintes perguntas:
– Por que Carlinhos não foi ao circo?
– O que Carlinhos mais gostava de comer?
– Por que Carlinhos precisou ir ao dentista?
– O que acontece quando comemos e não escovamos logo os dentes?
– Você tem olhado seus dentinhos no espelho?
– Será que eles estão estragados como os de Carlinhos? Ou estão apenas com “janelinhas” para dar lugar a um novo dente bonito e forte?


Fig.1- Carlinhos era um bom menino, mas não cuidava bem do seu corpinho. Gostava muito de chupar bala, comer chocolate e doces. Mas, comida!... não gostava. Com isso, Carlinhos, sem dar conta, foi ficando com os dentes estragados e a barriguinha grande.


Fig.2- Certo dia, chegou um grande circo na cidade em que Carlinhos morava. Vieram leões ferozes, focas ensinadas, cavalos e elefantes que sabiam obedecer as ordens de seus domadores. Vieram também muitas outras coisas interessantes.
Todas as crianças da cidade esperavam o dia da estreia do circo. Chegou esse dia !


Fig.3- Carlinhos resolveu preparar-se cedo. Queria sentar-se numa cadeira bem na frente, para ver de perto todo o espetáculo. Começou a vestir uma roupa de passeio. Mas... que decepção! A calça comprida não conseguia fechar. Foi então que  Carlinhos reparou bem no tamanho da barriga. E pensou:
E agora, que farei se só tenho essa calça para passear? A da escola está molhada na corda...
De repente, Carlinhos sentiu uma forte dor num dente... E ela foi aumentando... E o dente doía tanto! (interferência) Era preciso procurar um dentista bem depressa. Carlinhos foi com a mãe até o consultório dentário. Pelo caminho... o dente doía tanto! (interferência)


Fig.4- Ao passar pelo circo, Carlinhos, muito curioso, ouviu a banda dos palhaços dando início ao espetáculo. Ele ficou triste de não poder estar lá porque... o dente doía tanto! (interferência)


Fig. 5- No consultório, o dentista examinou-o e deu-lhe um espelho, falando:
- Olhe bem o estado dos seus dentes. Estão muito estragados. Vou ensinar a você como cuidar deles todos os dias. Quando não temos certos cuidados, o corpo fica doente com facilidade. Quando comemos balas e doces e não escovamos logo os dentes, eles vão se estragando e começam a doer. A doença prejudica os estudos e as brincadeiras.
Carlinhos foi também ao médico, que receitou um remédio para acabar com os vermes que faziam a sua barriguinha ficar tão grande.
Como vocês acham que o Carlinhos está agora?
Carlinhos está agora um menino mais bonito e tem uma vida com mais saúde e alegria!
- Relembrar às crianças a escovação correta dos dentes.


Concluir: É bom saber que o que a princípio nos parece uma catástrofe, também faz parte das Leis de Deus. Ex. Como na história, para os nossos dentes ficarem bonitos eles se renovam. Assim também é com a vida de todos nós. Deus é justo e a dor que algumas vezes sentimos, nos atinge para ser útil e auxiliar o nosso progresso moral e espiritual.


Atividade criativa: explicar ao grupo que será dita uma palavra. Quem lembrar de uma música em que apareça essa palavra deverá apresentar-se para cantá-la (ou apenas um trecho). Mas, uma condição: somente músicas transmitindo mensagens felizes.

Sugestões de palavras: cantar, felicidade, flor, alegria, camélia, sol, manhã, vida etc. (procurar usar as músicas da evangelização).






Nenhum comentário:

Postar um comentário